Diretamente ao conteúdo
Ministério das Relações Exteriores da Finlândia

Educação e Formação - Embaixada da Finlândia, Brasília : Info Finlândia : Educação e Formação

EMBAIXADA DA FINLÂNDIA, Brasília

SES - Avenida das Nações, Qd. 807, Lt. 27
CEP 70417-900 Brasília - DF, Brasil
Fone (61) 3443-7151
E-mail: sanomat.bra@formin.fi
Português | Suomi | Svenska |  | 
Letra normalLetra maior
 

Educação e Formação

A Finlândia é líder mundial em matéria de ensino.

 

Alunos do 3.º ano da Escola Secundária de Pitäjänmäki. Fotografia: Tero PajukallioAlunos do 3.º ano da Escola Secundária de Pitäjänmäki. Fotografia: Tero Pajukallio

As habilidades dos adolescentes finlandeses em matemática, ciências e leitura são classificadas como as melhores entre os 40 países associados, no mais recente estudo PISA da OCDE sobre crianças em idade escolar do mundo inteiro.

O Programa para a Avaliação de Estudantes Internacionais, PISA, é uma avaliação trienal de alunos de 15 anos nos principais países industrializados, organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, OCDE.

Fotografia: Tero Pajukallio

 

Em 2000, o PISA enfatizou a alfabetização de leitura. Em 2003, a incidência recaiu na matemática e resolução de problemas, e em 2006 deu-se especial atenção às ciências naturais.

 

Para os resultados de 2004, participaram um total de 6.235 alunos, de 197 escolas da Finlândia. Os alunos finlandeses, com 15 anos de idade, desta vez ficaram em primeiro lugar em proficiência em leitura, matemática e ciências. Na resolução de problemas, os jovens finlandeses perderam por pouco para a Coreia do Sul. As médias das notas finlandesas ficaram 40 a 50 pontos mais altas, do que a média da OCDE, de aproximadamente 500 pontos.

No estudo de 2006, os alunos finlandeses voltaram a destacar-se no primeiro lugar do comparativo internacional. Um em cada cinco estudantes finlandeses, com mais de 15 anos, conseguiram atingir o quinto nível nas perguntas, dividido por 6 níveis de dificuldade.

O sucesso da Finlândia, nas pesquisas PISA, chamou à atenção internacional para o sistema escolar do país, uma vez que outras avaliações internacionais aqui produziram resultados semelhantes. Na imprensa alemã, por exemplo, foram publicados quase 300 artigos sobre o sistema escolar finlandês nos últimos tempos. Milhares de professores e outros educadores deslocaram-se à Finlândia para verem com os seus próprios olhos.

Os resultados produziram também uma avaliação interna das autoridades educativas finlandesas, em parte à procura de encontrar razões que tenham contribuído para os resultados finais. Em geral pode-se concluir que os resultados são a soma de muitos aspectos de influência. Os estudantes finlandeses lêem desde muito cedo, tendência apoiada pela vasta rede de bibliotecas, os professores por norma são altamente qualificados, para além do aspecto fundamental do sistema de ensino finlandês garantir a igualdade de direitos e possibilidades para todos, independentemente das suas condições sócio-culturais.

A compreensão das necessidades das crianças é o segredo do sucesso

De acordo com a pesquisa, a força do sistema escolar finlandês é que este garante a igualdade de oportunidades de aprendizagem independentemente da classe social do aluno. Em vez de estabelecer uma comparação entre alunos, o foco reside em dar apoio aos alunos e orientar os alunos com necessidades especiais. Poucas crianças precisam repetir as séries.

Fotografia: Tero PajukallioO sucesso dos alunos finlandeses é explicado por uma série de factores. A sensação de segurança e motivação das crianças de tenra idade aumenta pelo facto de que elas são ensinadas por um único professor e de que não se utilizam notas para a avaliação. As relações entre professores e alunos são naturais e cordiais nas escolas finlandesas. Presta-se uma atenção especial à criação de um ambiente escolar agradável e estimulante.

A Finlândia tem uma rede abrangente de bibliotecas, com um avançado nível de serviços, que dá apoio à educação escolar. Os finlandeses são leitores extremamente ávidos. Mais um factor que dá sustentação ao aluno de línguas estrangeiras é que a televisão finlandesa utiliza legendagem, ao contrário da dobragem de programas de língua estrangeira.

Um dia na Escola de Ensino Básico de Strömberg

Aqui vamos nós!

São oito e pouco. A escuridão daquela manhã de Outubro não cedeu ainda à luz do dia, quando os alunos da Escola de Ensino Básico, com ensino especial de Strömberg, (dos 7 aos 13 anos) começam a tirar seus casacos, bonés e sapatos em frente aos cabides de casacos reservados a cada grupo. Um fogo convidativo e acolhedor aceso pelo porteiro Keijo Hämäläinen, para alegrar os alunos está a crepitar na lareira do saguão. Ouvem-se "olás" e "ois" gritados pelos corredores enquanto os alunos, professores e o resto dos funcionários da escola cumprimentam-se uns aos outros. Nessa escola, toda a gente se conhece, e os alunos chamam os seus professores pelo primeiro nome, como é habitual na Finlândia. Os meninos tiram os seus piões "Beyblade", de dentro das suas mochilas e fazem uma rápida competição antes do início da aula. Cada criança encontra o seu próprio grupo sem pressas; os grupos têm nomes de animais que vivem nas florestas finlandesas: os Alces, os Ursos, as Raposas, os Linces, os Falcões, as Doninhas, as Focas, as Corujas e os Lobos. E há também os Castores, uma sala para os alunos mais gravemente incapacitados, os quais são transportados por táxi, até a porta pela manhã, ao mesmo tempo em que os outros chegam. O dia escolar começa.

A Escola de Strömberg em Pitäjänmäki, Helsínquia, está localizada no meio de uma antiga propriedade industrial que recentemente foi preenchida com novos blocos de apartamentos. Pitäjänmäki encontra-se próxima de estradas movimentadas no lado oeste de Helsínquia, a uns 10 quilómetros do centro. A área engloba um amplo espectro social, desde proprietários com altos rendimentos, até famílias de baixos rendimentos e famílias que moram em habitações de propriedade camarária por motivos sociais. Um bom número de imigrantes também vive na área em relação a outras áreas em Helsínquia.

A escola propriamente dita é uma escola abrangente da cidade de Helsínquia, que recebe alunos de casas localizadas na vizinhança e de pré-escolas com o sistema Montessori, por exemplo. A Escola Strömberg localiza-se no prédio de uma antiga oficina de engenharia de máquinas que foi convertida e ampliada para ser usada como escola em 2000. A directora da escola, Sra. Päivi Ristolainen-Husu, participou logo no início do planeamento tanto do currículo da escola, como do prédio para que sigam o conceito moderno de boa aprendizagem da melhor maneira possível. Com um estilo arquitectónico tipicamente nórdico, o local é iluminado e espaçoso, os materiais duráveis e as cores aconchegantes. Além das salas de aula comuns, a escola tem oficinas para a elaboração de revistas, artes manuais, música, teatro, educação científica e ambiental, um ginásio para a prática desportiva e uma biblioteca. As especificidades da escola incluem um pequeno jardim de Inverno, cantos com sofás para leitura, e mesas para jogar xadrez.

Aprender fazendo

De volta às salas de aula: alguns dos grupos têm aulas nas suas próprias salas de aula; onde por exemplo estudam finlandês e matemática. Para essas aulas, os alunos determinam metas semanais com os seus professores e escolhem as tarefas que conseguem efectuar nos seus próprios ritmos. Alguns grupos estão na oficina, aprendendo através de treinos práticos e fazendo coisas sozinhos. Por exemplo, cada grupo passa uma semana na oficina de revistas em sistema de rotatividade, trabalhando nas publicações de seus próprios grupos. São usados poucos livros de texto, mas as crianças carregam diversos cadernos diferentes nas suas mochilas, e nesses cadernos eles anotam informações e diversas tarefas. As aulas não são gastas, de forma alguma, em memorização silenciosa; a criança anda pela sala, colhe informações, pede ajuda ao professor, coopera com outros alunos e ocasionalmente até descansa no sofá. A situação da sala de aula é activa, mas o professor controla a situação para que não hajam excessos – nesta escola, os professores têm autoridade, o que reduz a necessidade de recorrer a métodos autoritários.

A duração de uma aula é de noventa minutos. Os alunos normalmente ficam fora da escola nos trinta minutos de intervalo, independentemente do clima. Existem acessórios para brincadeiras ao ar livre no jardim da escola, e ao lado da escola existe um grande campo que as crianças podem usar para jogar futebol no Verão e patinar no Inverno.

A escola segue os princípios pedagógicos do francês Célestin Freinet, que enfatiza o aprender fazendo e a orientação para a comunidade. A Sra. Ristolainen-Husu frisa que tanto o currículo nacional básico da Finlândia, como o currículo da cidade de Helsínquia estão em conformidade com as ideias de Freinet, mas que a Escola Strömberg eleva o modelo para um patamar superior, uma vez que as instalações foram feitas para possibilitar oficinas de estudo e actividades dos alunos desde o início.

Isso também significa que a escola tem aulas integradas por grupos de idade, por exemplo, cada grupo tem crianças de dois grupos de idade diferente. As diferenças podem ser substanciais entre crianças da mesma idade, mas num grupo de idades integradas, as diferenças são encaradas de forma natural, existindo menos comparação. Os que são mais lentos, ou mais rápidos do que a média recebem tarefas condizentes com suas necessidades.

Janelas para o mundo

Aprender ao realizar tarefas é um elemento chave no currículo da escola. Isso significa que os alunos participam em tarefas comuns, já a partir do primeiro ano. Revezando-se em grupos, eles cuidam das plantas da escola, biblioteca, recolha de papel usado, reciclagem, recolha de materiais orgânicos para decomposição, jardim e aquário; ajudam na cozinha e na sala dos Castores e cuidam da tartaruga Pertsa, mascote da oficina ambiental. Nessas tarefas, eles não são guiados pelos professores, mas pelos outros adultos que trabalham na escola: equipa de limpeza, de cozinha, tratador, secretária e assistentes. A responsabilidade de educar as crianças é dividida igualmente por todos, evitando-se estruturas hierárquicas desnecessárias entre as equipas.

A escola também se encontra aberta à comunidade local. Isto significa, por exemplo, que os pais são sempre bem-vindos às salas de aula e que as suas experiências são utilizadas nas oficinas e sessões escolares vespertinas. As salas fazem muitas excursões para diversos lugares para aprender sobre eles. Toda a escola segue e apoia o projecto de cooperação do WWF, para salvar o Lago Malawi.

A escola tem um tema especial para todos os alunos anualmente; a temática é discutida de um ponto de vista interdisciplinar e é tratada artisticamente. Os temas que variam de ano para ano são: água, terra, ar e fogo. A aprendizagem sobre os temas ocorre em cooperação com o grupo do playground próximo e com a creche e lar para idosos.

E depois, o almoço!

É hora de uma pausa após um longo período de estudos. E nós também estamos famintos! Vamos para o refeitório para almoçar. Como em todas as escolas finlandesas, a escola Strömberg serve diariamente uma refeição quente gratuita. Hoje é dia de almôndegas e puré de batatas, prato favorito de gerações de crianças, servido com salada, pão e leite. Foram reservadas porções especiais para crianças, que fazem uma dieta especial por motivos religiosos ou de saúde. As crianças comem em mesas aconchegantes com toalhas e flores em vasos durante todo o ano.
Não foram gastos fundos adicionais acima da média na construção, ou manutenção da escola Strömberg. Porém, aqui foram implementadas muitas ideias sobre as quais pessoas de toda a Finlândia e do mundo vêm para aprender. Arquitectos também vêm de todo o mundo para ver o prédio da escola projectado por Kari Järvinen e Merja Nieminen.

O dia escolar termina entre o meio-dia e as duas horas da tarde, dependendo do dia e do grupo. Os pais de quase todas as crianças trabalham o dia todo como é hábito na Finlândia, e as crianças pequenas da escola acham que as tardes em casa são muito longas. Consequentemente, as autoridades da cidade construíram um playground próximo da escola, com acesso seguro em relação ao tráfego de veículos. O playground oferece às crianças da escola uma generosa e ampla área recreativa com equipamentos, jogos e dois prédios onde elas podem fazer os trabalhos de casa, ou jogar jogos em ambiente fechado. Cinco auxiliares do playground tomam conta das crianças, que também recebem gratuitamente um lanche da tarde. De resto, todo o playground é gratuito. Aqui observam-se também os princípios pedagógicos de Freinet: as crianças participam na criação de um ambiente bom e agradável para elas próprias.

Depois das quatro da tarde, o portão do playground abre-se e fecha-se vezes sem conta. Os pais chegam do trabalho para recolherem os seus filhos. Os joelhos das calças das crianças estão sujos e as suas luvas estão molhadas; muita coisa foi vista e feita, jogos foram jogados e todos tiveram um bom dia.Pegam nas mochilas e acenam aos auxiliares. Até amanhã!

Escola gratuita para todos

O sistema escolar finlandês apoia a aprendizagem constante
Nos primeiros anos da independência, já se entendia na Finlândia que a educação era o factor de sucesso mais importante para a nação. Estabeleceram-se disposições na Constituição de 1919, como a educação básica obrigatória e gratuita para todos, instrução vocacional e instituições educacionais académicas fornecidas por autoridades públicas.

Escola abrangente

Fotografia: Tero PajukallioAs crianças finlandesas entram na escola abrangente aos sete anos de idade. Essa instrução, que é gratuita para toda a faixa etária, tem uma duração de nove anos. Todos os finlandeses gozam de uma educação obrigatória até os 17 anos de idade, ou até o fim da escola abrangente. A educação da escola abrangente é fornecida pelo município ao qual sua casa pertence, e a rede de escolas do primeiro ciclo é ampla. Todos os materiais educacionais básicos são gratuitos para as crianças, e os serviços incluem uma refeição quente todo os dias, assistência à saúde na escola e transporte gratuito para as crianças que moram muito longe da escolha para ir a pé ou utilizar o transporte público.

Já há alguns anos que se fornece instrução preparatória para o ensino pré-escolar para as crianças com seis anos de idade, cobrindo a maioria da faixa etária.

A Finlândia é um país bilingue, e o ensino é fornecido igualmente em finlandês e em sueco. As grandes cidades têm escolas que fornecem ensino noutras línguas também, acessíveis para crianças finlandesas e imigrantes.

Cabe também às autoridades locais fornecer instrução para jovens e crianças que não podem participar no ensino da escola abrangente normal por motivos de doença ou incapacidade. Praticamente todas as crianças finlandesas vão à escola.

Escolas secundárias e ensino profissionalizante básico

 Aproximadamente 50 % de cada faixa etária prosseguem para as escolas secundárias. O ensino de nível secundário fornecido pela cidade também é gratuito e inclui uma refeição quente diariamente durante o ano lectivo. O currículo baseado em cursos que abrangem muitas matérias opcionais leva, em média, três anos e termina com um exame nacional de "matrícula". Essa "matrícula" fornece um arcabouço para a continuidade dos estudos em instituições de ensino superior, ou institutos de instrução profissionalizante.

 

Fotografia: Matti TirriAlunos do 12.º ano em cima de um camião, durante o cortejo tradicional em camiões na festa dos finalistas do liceu. Após a festa, os alunos do 12.º ano retiram-se das actividades da escola e começam os preparativos em casa para os exames nacionais do final do liceu, (abrangendo a matéria dada no 10.º, 11.º e 12.º ano). Fotografia: Matti Tirri

Além das escolas de ensino secundário, existe uma alternativa de ensino profissionalizante básico de três anos que abrange tanto matérias de educação geral, como de ensino de instrução profissionalizante. Essa é a linha de estudo escolhida por quase todos os que não frequentam as escolas de ensino secundário. Somente 6 % de cada faixa etária não prossegue os estudos após a conclusão da escola abrangente. Pode-se também obter o ensino profissionalizante básico através de instrução para aprendizes, ou seja, serviço prático na área apoiado por ensino teórico. Os que obtêm uma qualificação profissionalizante adicional podem continuar os estudos em escolas politécnicas, ou outras instituições de ensino superior.

Instituições de ensino superior

O ensino superior é dividido entre escolas politécnicas e universidades. As politécnicas fornecem ensino e treino visando um nível de qualificação profissional para satisfazer as exigências do mercado de trabalho, enquanto as universidades realizam pesquisa científica e fornecem a instrução académica tradicional.

 

Fotografia: Jussi TiainenKaarina Löfström, Kalle-Pekka Virtanen, Juhani Takkinen, Markku Kolehmainen, Ari Aho, Laura Arpiainen; 1995; Centro biotécnico da Universidade de Helsínquia. Fotografia: Jussi Tiainen

O número de candidatos a instituições do ensino superior ultrapassa em muito o número que pode ser aceite. Dependendo da instituição em questão, a selecção dos alunos baseia-se em certificados de exames, ou numa combinação de certificados de exames com exames de acesso ao ensino superior. A estratégia nacional da Finlândia visa oferecer um lugar num politécnico ou numa universidade a dois terços de cada faixa etária.

 

Fotografia: Matti TirriBiblioteca da Universidade de Helsínquia. Fotografia: Matti Tirri

Na Finlândia, a educação escolar estende-se por um longo período de tempo; a maioria das pessoas não se qualifica para as suas profissões antes dos 20 anos, e um número significativo de alunos do ensino superior não o fazem antes dos 25 anos. A meta é a aprendizagem permanente; há muitas oportunidades de formação posteriormente fornecidas pelo sector público, para adultos que já trabalhem numa profissão, e não é um fenómeno raro encontrar pessoas que aprendam uma nova profissão com uma idade mais avançada.

Todos os níveis escolares são gratuitos para os alunos.

O governo providenciou fundos para vários benefícios sociais para alunos, em termos de meios de sustento, refeições, acomodações e assistência à saúde. As instituições educacionais são custeadas predominantemente pelo governo central ou local. À excepção do ensino superior, todos os níveis escolares possuem algumas instituições educacionais particulares que recebem fundos públicos se cumprirem as normas estabelecidas pelas autoridades.

Graças ao seu sistema escolar público abrangente de alta qualidade, a Finlândia não possui um mercado de ensino e formação comercial em educação básica, e em todos os outros níveis e noutros sectores também, a actividade comercial é relativamente pequena se comparada à de muitos outros países ocidentais.

O que e como se ensina nas escolas finlandesas

 

Fotografia: Jussi TiainenUlla Vahtera, Lasse Vahtera, Mikko Marja-aho, Jaakko West; 1994; Escola Secundária de Pappilanpelto, Vihti. Fotografia: Jussi Tiainen

As crianças vão à escola em grupos de no máximo 24 alunos por faixa etária. Nos seis primeiros anos da escola abrangente, as crianças são ensinadas por um professor da classe, que ministra praticamente todas as matérias. O ensino durante os últimos três anos da escola abrangente é efectuado por professores de matérias específicas. Os alunos também recebem instrução e ensino especial para distúrbios de fala e para problemas de leitura e escrita, ou necessidades especiais do género.

As matérias da escola abrangente incluem o idioma e literatura finlandeses, outros idiomas, estudo ambiental, educação cívica, religião ou ética, história, estudos sociais, matemática, física, química, biologia, geografia, educação física, música, artes, trabalhos manuais e economia doméstica. As metas de ensino e o currículo básico são os mesmos no país inteiro, mas as autoridades e escolas locais elaboram o seu próprio currículo local com base nestas matérias.

Ênfase no estudo de idiomas

Fotografia: Tero PajukallioAs escolas finlandesas enfatizam o estudo de idiomas estrangeiros. O primeiro idioma estrangeiro é introduzido no terceiro ano da escola abrangente, e o segundo idioma doméstico (sueco para os que falam finlandês, e finlandês para os que falam sueco) no sétimo ano, a menos que o aluno já tenha tido o segundo idioma doméstico no terceiro ano. Esses dois idiomas são o mínimo, e para além destes os alunos podem, dependendo da variedade oferecida pela escola, optar por vários estudos de idioma iniciados em diversos anos de forma a poderem estudar até seis idiomas diferentes até à conclusão do nível secundário. Os idiomas estrangeiros mais comuns estudados na Finlândia são o inglês, o alemão, o francês, o russo e o espanhol.

Há imigrantes residentes na Finlândia com idiomas nativos que não o finlandês ou o sueco. As crianças dessas famílias recebem ensino especial em finlandês como segundo idioma. Se houver um número suficiente de crianças com o mesmo idioma nativo numa certa comunidade, o ensino nesse idioma é fornecido com fundos municipais duas vezes por semana. Em Helsínquia, por exemplo, existem 2.600 crianças de origem estrangeira que recebem instrução em cerca de 40 idiomas diferentes. A proficiência das crianças na sua língua nativa é estimulada, já que promove o desenvolvimento, crescimento e auxílio na aprendizagem do finlandês.

O ensino de religião com o devido respeito aos valores familiares

 A maioria dos finlandeses pertence à Igreja Evangélica Luterana, e os seus filhos frequentam o ensino sobre sua própria religião. Os membros de outros grupos religiosos também têm direito ao ensino sobre a sua própria religião se houver um mínimo de três alunos num grupo de estudo.

Os que não forem membros de um grupo religioso ficam isentos de ensino religioso. Em vez disso, estudam ética durante toda a sua carreira escolar, abrangendo ensino sobre ética, religiões e habilidades interpessoais.

Opções tanto para alunos como para professores

As opções aumentam à medida que prossegue a carreira escolar. Além disso, muitos municípios possuem escolas abrangentes de nível superior e secundário, com currículos mais fortes em matérias como música, artes ou desportos.

Fotografia: Tero PajukallioO corpo docente das escolas finlandesas é altamente instruído. As qualificações para todos os níveis escolares exigem um grau universitário ao nível de mestrado, inclusive extensos estudos pedagógicos e qualificações em matérias específicas.

O alto nível educacional dos professores permite-lhes planificar e seleccionar as metodologias de trabalho de forma independente. O sistema escolar finlandês baseia-se numa cultura de confiança, não de controlo, e os professores desempenham um papel activo no desenvolvimento das suas actividades laborais. Com o seu próprio trabalho, estabelecem um exemplo de aprendizagem permanente.

As opinões expressas nestes artigos são unicamente da responsablidade dos autores.
Publicado em Outubro 2005

Ligações

Sistema de Educação na Finlândia

 

EducaoEducao

Existem 20 Universidades e 29 Institutos de ensino superior, com uma frequência aproximada de 135.000 estudantes, 52% dos quais, pertencem ao sexo feminino.

Para obter informações adicionais:

Associação dos Centros Tecnológicos da Finlândia

A Associação finlandesa dos Centros Científicos, (TEKEL), consiste numa rede nacional de cooperação, que engloba 22 centros tecnológicos nas cidades universitárias e de ensino superior. Estes centros científicos promovem a aplicação de uma pesquisa inovadora ao tecido empresarial, no sentido de atingir a difusão, crescimento e a internacionalização das empresas de tecnologia. 

Associação dos Centros Tecnológicos da Finlândia TEKEL 
Innopoli 1, Tekniikantie 12 
02150 Espoo
Finlândia
Web: http://www.tekel.fi/english/

O símbolo da juventude e da liberdade - o chapéu branco

No final do mês de Maio quando os estudantes das escolas básicas começam as suas bem merecidas férias de Verão os finalistas do 12º ano recebem o diploma dos seus estudos e dos exames nacionais. Põem na cabeça um chapéu branco com uma lira de ouro e um debrum de veludo preto. Ler mais.

Estudar na Finlândia - Intercâmbio internacional

A Finlândia oferece excelentes oportunidades de ensino superior, em todas as áreas de estudo. O sistema educativo e a política de ensino baseiam-se largamente no investimento, no desenvolvimento e na pesquisa. Os estabelecimentos de ensino superior, quer universidades, quer politécnicos, beneficiam com esta política a todos os níveis. Um bom exemplo a referir, são as bibliotecas de cada faculdade, que não só têm uma vasta selecção bibliográfica, como também oferecem o acesso gratuito aos serviços de Internet aos visitantes. Os finlandeses defendem a ideologia da igualdade, que se manifesta também no ensino superior do país, na ausência por norma das propinas.

Para estudar na Finlândia, não é necessário ter conhecimentos da língua finlandesa, existem mais de 300 programas internacionais leccionados em inglês. Os programas são interdisciplinares, na sua grande maioria e variam desde os estudos sobre a Rússia e Europa de Leste, aos estudos interculturais, de alta tecnologia, até às belas artes. Os programas vão desde breves cursos, que atribuem os graus de Licenciatura, Mestrado ou Doutoramento. Os cursos são direccionados nomeadamente a estudantes com idades compreendidas entre os 18 aos 30 anos. Na Finlândia existem também, boas oportunidades de estágios ligados às áreas dos cursos, habitualmente por um breve período, de um mês no Verão, até estágios mais longos, com uma duração de 18 meses.

Nos tempos livres a localização geográfica da Finlândia oferece excelentes oportunidades de conhecer, para além do próprio país, os países vizinhos, como a Suécia, Noruega, Estónia e Rússia. As organizações dos estudantes organizam frequentemente passeios e viagens para os estudantes estrangeiros com destinos variados.

Já cerca de 6000 estudantes de 40 diferentes nacionalidades, estão a tirar um curso superior na Finlândia e milhares de outros, vêm para o país, quer no âmbito de programas de intercâmbio internacional, quer independentemente.

Bolsas de estudo

A Embaixada da Finlândia não concede quaisquer bolsas de estudo ou subsídios, mas colabora com as entidades responsáveis pelo intercâmbio, no âmbito do Acordo Cultural entre Portugal e a Finlândia. Neste caso é o Instituto Camões, que recebe as candidaturas portuguesas. A Embaixada da Finlândia, por sua vez, pode fornecer informações sobre as Universidades finlandesas.

Aconselhamos os interessados a visitarem ocasionalmente, as páginas do CIMO, organismo central finlandês de intercâmbio, o qual disponibiliza informações actualizados sobre as bosas de estudo.

Para obter informações adicionais, favor contactar:
CIMO - Centro de Mobilidade Internacional
Tel. +358 9 1080 6767 (2ª a 5ª feira, das 10 às 12 h. e das 13 às 15 h.).
Fax. +358 9 7747 7064
E-mail cimoinfo@cimo.fi
Web: www.cimo.fi

Instituto Camões
Rua Rodriques Sampaio, 113
1150-279 Lisboa
Tel: 213 190 100
Fax: 213 143 987
E-mail: geral@instituto-camoes.pt
Web: www.instituto-camoes.pt

 

Imprimir esta página

Atualizado 3/4/2009


© Embaixada da Finlândia, Brasília | Informação sobre o serviço | Contatos